16/01/2019

Do zero ao sub-3h na maratona!

Foi em meados de 2014, quando após um diagnóstico de exame de rotina, o clínico geral me disse que minha pressão estava alta, que minha taxa de colesterol era alta, que eu tinha sobrepeso e era sedentário.

Sempre gostei de esportes, quando criança joguei muita bola na rua, brincava no quintal de casa, fiz academia, Tae-kwon-do e futsal. Mas aí aconteceu o que toda criança da década de 90 queria na época: Eu ganhei um computador. Fiquei vidrado com o mundo virtual, já não saia mais na rua, meus amigos vinham em casa para jogar... jogos eletrônicos. Deixei a vida ativa de lado, nunca dei bola para o que comia e aí, anos mais tarde, as consequências vieram

Resolvi dar um basta e mudar de vida. Queria emagrecer, levar uma vida de hábitos saudáveis e ser mais feliz comigo mesmo. Descobri que precisava cuidar do lugar onde habitava: meu corpo. Saí para trotar um dia, mas não aguentei aquela coisa repetitiva por mais de vinte minutos. De certa forma, achei que o esporte já não era mais pra mim. Comecei a fazer dietas burras, achando que estava ficando saudável apenas porque estava perdendo peso.

No novo exame eu já tinha perdido alguns quilos, mas minha massa magra era baixa, eu ainda estava "gordo", apesar do peso não apresentar. Foi aí que resolvi encarar a coisa como se deve. Comecei a estudar sobre uma dieta saudável, consultei nutricionistas, e fui pra rua mais uma vez. Dessa vez foi diferente, apesar do desânimo inicial, eu celebrava cada conquista, cada minuto a mais que conseguia permanecer correndo.

Foi quando um dia, pela primeira vez, fiz 10km. Levei mais de 1h, mas isso não importou, o que me deixou perplexo foi o sentimento que aquilo me trouxe. Eu estava feliz, não conseguia me conter... Tinha descoberto o que era endorfina, ou runner’s high, para os mais íntimos.

O tempo passou e hoje a corrida de rua se tornou minha paixão. Não há um dia sequer que eu passe sem querer correr (e na maioria deles, eu corro!). Com isso, algumas metas vieram, e eu comecei a pensar em fazer maratonas e em performance. O sonho de Boston aconteceu no mesmo instante e o índice que deixa muita gente consternada, se tornou minha obsessão.

Em um ano de ciclo de treinamento específico, dieta regrada com alimentação saudável e suplementação ideal para quem corre, ele veio. Aconteceu em Florianópolis, em Junho de 2018, quando cruzei a linha de chegada em 2h59m36s. Foram duas conquistas que jamais esquecerei, meu primeiro sub-3h e o Boston Qualify.

Posso dizer com toda certeza: A corrida mudou minha vida. Hoje busco através dela incentivar a prática de hábitos saudáveis a qualquer um que esteja disposto a mudar também. Correr é meu mantra, é o gás que eu preciso pra trabalhar bem, e a minha paz para ter uma noite tranquila de sono. Um dia sem correr, é um dia perdido.